O valor dos influenciadores digitais locais – por Thata Saeter

O valor dos influenciadores digitais locais – por Thata Saeter

Como definir quanto custa para promover um negócio realmente?

Ainda existem muitas dúvidas pairando em torno da relação entre marcas e influenciadores. Uma das mais recorrentes é como estabelecer quanto custa e quanto vale pagar para promover negócios nas redes sociais. Mas afinal, é possível avaliar isso de forma mais objetiva? E o principal, como fazer isso?

Para compreender melhor como estabelecer o valor deste tipo de promoção, primeiramente, é essencial entender uma questão: influenciador não é apenas o superstar que já está bombando em todas emissoras de televisão, mas inclui, aquele que se engaja e impacta o seu ecossistema. Pode ter 5 milhões de seguidores ou poder ter 5 mil, o número de zeros subsequentes definitivamente não será sempre o mais significante. O mais importante é que este público seja qualificado para os objetivos da marca que pretende se associar.

E o que quero dizer com isso? Quero dizer que muitas vezes pode ser mais eficiente, além de ter um custo benefício muito mais vantajoso, investir em influenciadores locais.

A não ser que você seja a Samsung, a Nike ou a PepsiCo e tenha uma verba milionária a disposição para investimento, o mais recomendado é buscar estudar o perfil de influenciadores que mais se conectam com os valores da marca e que tem o potencial de impactar diretamente o ambiente do negócio.

Portanto, não precisa ser a Kéfera, a Thássia Naves ou o Felipe Neto para divulgar uma nova coleção ou um produto específico. Muitas vezes, para criar uma conversa sobre determinada marca pode ser mais estratégico trabalhar com profissionais próximos da realidade do negócio, da própria cidade ou Estado, que são possíveis consumidores e tem o potencial de verdadeiramente impactar as pessoas que os seguem.

Agora, entrando um pouco mais no ponto polêmico do papo e que todo mundo deseja saber mais: “quanto vale um post?”. A resposta poderia ser simples, eu gostaria, seria muito mais fácil para fazer o desfecho deste artigo, mas não é. Mas veja bem, pode ser definido de forma objetiva sim, e para colaborar com isso, separei alguns parâmetros principais a definir:

1. Quanto tempo o influenciador precisará investir do seu tempo para desenvolver o trabalho
A cobrança pode ser definida por hora, por post, por diária. Isso vai depender de como o influenciador criar o seu preço. Isso pode variar de um profissional para outro, o que não pode é o valor ser definido por parâmetros diferentes dependendo do cliente.

2. Quais canais (Youtube, social media, TV, impresso, rádio, panfleto) e por quanto tempo essa imagem será utilizada.
Afinal, o direito de imagem não será a ad eternum, certo? Essas informação são importantes e precisam estar bem definidar para aqueles que investem e para aqueles que irão promover.

3. Quanto custa o uso da imagem
Sejamos realistas é a primeira dica. Não chegar ao mercado querendo impor o valor do post de uma Kardashian-Jenner já é uma boa. No entanto, também é importante avaliar o impacto da associação da marca ao nome, bem como a exposição que terá. Isso também tem valor e precisa ser definido. Toda ação tem reflexos diretos e indiretos, tanto para marcas quanto para os profissionais que conquistam a credibilidade do público com críticas honestas.

4. De que forma será realizada as postagens? Quantas vezes?
Antes de fechar o negócio, definir a frequência, bem como a forma que será realizado o trabalho é importantíssimo. Falhar neste quesito pode colaborar para abertura de brechas, mal entendidos e frustrações.

5. Reprodução do Conteúdo
Este é um dos tópicos esquecidos com maior frequência na hora da negociação, mas não é menos importante. A reprodução do conteúdo pela marca precisa ser precificada quando acertado o investimento, afinal, o conteúdo pode ser utilizado em outras mídias e até mesmo para divulgação de mídia espontânea.

Não restam dúvidas de que os influenciadores digitais possibilitam uma nova relação entre consumidores e empresas. Está nova forma de comunicar tem se mostrado eficiente para todos os portes de negócios e profissionais. Apesar de inicialmente parecer desafiador estabelecer o valor deste tipo de ação, a definição de parâmetros de precificação tende a ser positivo para criadores de conteúdo online e também para quem tem interesse em investir neste tipo de mídia e está começando a amadurecer a ideia sobre o assunto.

 

Thata Saeter _palestrante

Thata Saeter é Jornalista, Empreendedora e Fundadora da Jornalistica Media Relations. MBA em Marketing e Comunicação pela ESPM. Estudou em instituições internacionais e teve oportunidade de conhecer sobre o mercado da comunicação norte americano e aprofundar seu conhecimento nas áreas de Estratégias de Marketing Digital na New York University (NYU) e também em Consultoria de Imagem, na Fashion Institute of Technology (FIT) em New York.  Twitter/ Instagram: @jornalistathata. Snapchat: thasaeter

Anterior Maternidade: voltar ou não ao trabalho | Blog Baby Lo
Próxima PROMOÇÃO: O Teatro Mágico se apresenta neste domingo na Capital

Pin It on Pinterest

Share This